• SNOLA

Highlights Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA) 2022- THE STATE OF ART IN NEURO-ONCOLOGY

Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA) organizou em 2022 um dos maiores eventos em neuro-oncologia da América Latina com referências mundiais. Realmente, como já anunciava o tema – THE STATE OF ART IN NEURO-ONCOLOGY, as aulas foram o estado da arte com um passeio desde a investigação, diagnóstico, tratamento e perspectivas futuras.


No dia 11/02/2022, os neuropatologistas Maria Beatriz Lopes (UVAHealth, EUA), Félix Sahm (Heidelberg University, Alemanha), Torsten Pietsch (University of Bonn, Alemanha) e Pascale Varlet (Hôpital Sainte-Anne, França) apresentaram, baseada na 5ª. classificação dos tumores de SNC da WHO recentemente publicada, os critérios diagnósticos dos tumores cerebrais em geral e detalhando os meningiomas, ependimomas e gliomas de linha média. Segundo essa classificação e os speakers, a integração das informações moleculares ao fenótipo é fundamental na definição diagnóstica em grande parte dos tumores. Muito bem enfatizado pela Dra. Maria Beatriz Lopes, a discussão sobre acesso aos métodos utilizados (sequenciamento, perfil metilação, FISH, PCR, ...) nem sempre cobertos pelas seguradoras.


O Dr. Antonio Lavarone (Columbia University, EUA), Jennifer Moliterno (Yale Cancer Center, EUA), Jason Fangusaro (Emory Winship Cancer Institute, EUA), Itay Tirosh (Weizmann Institute of Science, Israel) e Roel Verhaak (Jackson Laboratory, EUA) apresentaram de forma brilhante as alterações genômicas e epigenômicas nos gliomas, nos meningiomas, a heterogeneidade tumoral e alterações induzidas por tratamento. Tais informações justificam em parte a complexidade no tratamento dos tumores cerebrais, resistência ao tratamento e nos guiam a conduzir da melhor forma o manejo clínico desses pacientes.


A tecnologia é uma realidade na medicina e através de machine learning e inteligência artificial, está nos auxiliando tanto na extração de informações quanto na interpretação de dados. Este tópico foi abordado de forma muito esclarecedora pela Dra. Isabelle Germano (Mount Sinai School of Medicine, EUA) e Dr. George Samandouras (University College, Londres).


A imagem em neuro-oncologia é de suma importância não somente no diagnóstico, mas também na programação terapêutica, avaliação de resposta e diagnósticos diferenciais. Esta área evoluiu muito recentemente e hoje consegue diferenciar tumores a depender da sua característica clínica e peculiaridades, diferenciando os tipos moleculares através das informações das técnicas avançadas e expertise do especialista em interpretá-las. O Dr. Javier Villanueva-Meyer (University of California, EUA) e Tomás Freddi (ICESP, Brasil) abordaram como as informações genômicas e radiônicas são importantes na radiologia e quais suas implicações clínicas.


Em relação ao manejo clínico, as apresentações da SNOLA 2022 foram sensacionais. Os neuro-oncologistas, oncologistas clínicos, neurocirurgiões e radioterapeutas de maior impacto mundial estiveram presentes. No primeiro dia de evento, o Dr. Hughes Duffau (Montpellier, França) apresentou dados de plasticidade cerebral aplicadas à neurocirurgia; David Roberge (University of Montreal, Canadá) apresentou dados de radioterapia nos meningiomas e gliomas; em neuro-oncologia pediátrica, Ute Bartels (Sick Children, Canadá) apresentou dados de manejo dos craniofaringiomas, Vijay Ramaswamy (University of Toronto, Canadá) nos ependimomas e Eric Bouffet (University of Toronto, Canadá) nos meduloblastomas; tumores de células germinativas foi abordado na Asian Society for Neuro-Oncology Lecture pelo Dr. Hirokazu Takami (University of Tokyo, Japão) e Mohammed Abdelbaki (Washington University School of Medicine, EUA); a terapia alvo nos meningiomas foi abordada pela Dra. Priscilla Brastianos (Harvard Medical School, EUA) e manejo dos gliomas difusos pelo Dr. Michael Weller (University Hospital of Zurich, Suíça).


Por último, porém não menos importante, foi abordado pelo Dr. Daniel Forte (Sírio Libanes, Brasil) a importância do cuidado paliativo integrado e Dr. Ricardo Komotar (University of Miami School of Medicine, EUA) apresentou o business envolvido na construção de um centro de neuro-oncologia baseado na experiência pessoal dele em Miami.

O segundo dia do evento teve início com uma sessão muito interessante com dr Farshard Nassiri (Canadá) falando sobre diagnóstico dos gliomas através da análise da metilação de DNA por coleta de sangue método menos invasivo que se mostrou semelhante a análise tecidual.Na sequência dr Adam Worthwalter (EUA) mostrou análise do microambiente tumoral dos glioblastomas associando como fatores de pior prognóstico o aumento de CD68 e baixo CD3/CD8. Dr Fábio Moraes médico brasileiro que atua no Canadá, recebeu SNOLA AWARD 2022 em Radioterapia, nos brindou com uma excelente palestra sobre as indicações de radioterapia de acordo com as classificação atual da WHO 2021, realçando a ausência de benefício em sobrevida com doses acima de 60 Gy em gliomas de alto grau.O dr Nader Sanai (EUA) falou sobre a extensão da ressecção na era molecular e dra Tathiane Malta (Brasil) fez uma análise epigenômica na evolução dos gliomas realçando o papel de algumas mutações e deleções no seu prognóstico. Finalizando com dr Vinai Gondi (EUA) falando sobre a prevenção do déficit neurocognitivo através do uso da memantina e proteção do hipocampo para radioterapia de cérebro total além do uso da Tractografia para auxiliar o planejamento da radioterapia.


Dr. Seon Khang (Korea) falou sobre a “stem cell” de origem do GBM,mostrando a presença de células tronco já com a perda do cromossomo 7 e perda do 10 na região subventricular como primeiro evento na origem do GBM. Em relação ao tratamento dos glioblastomas tivemos uma excelente revisão dos anti angiogênicos com Dra Susan Chang (EUA), perspectivas futuras com a imunoterapia com o Dr. Edjah Nduom (EUA) e uma sessão plenária com o estado da arte atual com Dr. Vinay Puduvalli (EUA) Vale destacar a palestra da Dra. Caroline Chung sobre os resultados do tratamento com prótons comparado com photons em gliomas. O resultado do estudo demonstra mais precisão que IMRT e menos toxicidade aguda porém com piora neurocognitiva mais rápida. Entretanto, o tratamento com prótons é de alto custo e de difícil acesso.


O tratamento dos gliomas pediátricos foi apresentado pelo Zoltam Patay (EUA), Cristof Kamm (ALEM) e Sergio Cavalheiro (SP).


O Dr. Fernando Kawai (EUA) nos mostrou sua experiência em como conversar com os pacientes com doença avançada em fase final de vida e a importância que esta abordagem seja feita o mais precoce possível.


Finalizando o congresso com a experiência do dr David Readon (EUA)com vacinas e CAR T cell em GBM buscando vencer um microambiente tumoral de imunossupressão e a heterogeneidade tumoral. O Dr. Mark Gilbert (EUA) falando sobre medicina de precisão nos gliomas com ênfase no conceito de letalidade sintética. E por último a tão aguardada palestra sobre vírus oncolíticos em gliomas com Dr. Ennio Chiocca com as perspectivas futuras de estudos combinando inibidores de PD-1 com vírus oncolítico.


As aulas estarão disponíveis para os participantes no site da SNOLA em breve!


98 visualizações0 comentário